Mundo Sustentável

Receba o nosso BOLETIM

Abrindo espaço na mídia para um planeta em transformação

Micro Blog
24 nov 2016
POR: Mundo Sustentável
CATEGORIA: Destaque, Microblog
TAGS:
Home » » Black Friday ou o movimento de manada?

Black Friday ou o movimento de manada?

Previna-se do arrastão publicitário que estimula o consumismo

 

A culpa é da avalanche publicitária que insiste em me lembrar que amanhã tem Black Friday (ou black-fraude, tamanha a quantidade de produtos que parecem mais baratos do que são de fato). Darei o troco nestas despretensiosas linhas que denunciam o lado sombrio desta convocação voraz. O Vlack Friday abre caminho para um movimento de manada que provoca a excitação coletiva em torno do consumo desvairado, alucinado, compulsivo. O Brasil importou sem cerimônia uma data criada nos Estados Unidos (há quem diga que a invenção é canadense) sem se dar ao trabalho sequer de traduzir o termo. O Black Friday acontece na sexta-feira seguinte ao Dia Nacional de Ação de Graças (Thanksgiving Day) quando o comércio americano promove uma mega-liquidação para marcar o início das compras de Natal. O país mais consumista do mundo pretendeu antecipar a temporada de compras natalinas e “se deu bem”. Longas filas se formam na madrugada gelada de cidades como Nova Iorque onde a multidão aguarda em uma espera angustiante a abertura das lojas. Quando isso acontece, registra-se o “estouro da boiada” com pessoas sendo literalmente atropeladas, disputando por vezes de forma violenta os produtos mais baratos, algo que destoa bastante do chamado “espírito natalino”.

A bem da verdade, o Black Friday exalta o “natal pagão”, aquele que privilegia a tradição do Papai Noel (pintado de vermelho pela Coca-Cola no início do século passado quando transformou o bom velhinho em garoto-propaganda) e da árvore repleta de presentes (campanhas publicitárias vendem a ideia de que Natal de verdade é o da fartura de presentes, comida, bebida, etc.). Em meio a essa correria toda, esquecemos do aniversariante e do sentido espiritual da festa. Mas, cada um tem o direito de fazer o seu Natal do jeito que bem entender. E também de se entreter com a correria do Black Friday, se assim o desejar. Mas se esse for o seu caso, faça por você. Não se deixe levar pelo arrastão publicitário que arrebata os incautos, os distraídos, os dispersos. Firme seu pensamento naquilo que acredita e seja feliz.

 

André Trigueiro

 

 

 

2 Comentários

2 Comentários

  • renate marianne perez

    Caro André Trigueiro: nada ou pouquíssima coisa poderia se comentar depois do que vc explicou de forma
    sucinta, mas explícita.
    Para o Brasil, neste momento de crise
    profunda, um “black friday” tem um ponto positivo: movimenta um pouco
    as vendas nas lojas que praticam o
    tal do “black friday”.
    Desde que os preços dos produtos mais
    em conta, já não tenham sido previamente maquiados, o que já ocorreu, segundo noticiários na TV.
    Para terminar, seu comentário foi
    excelente, como todos os seus outros aliás, que tive o privilégio de ler!
    Desejo-lhe um feliz final de novembro,
    com os melhores votos para um dezembro
    com renovadas esperanças num novo ano
    promissor para todas as pessoas de
    bem e de boa vontade!
    Fraternal abraço!!!

  • Alice

    Excelente artigo André – Parabéns pela clareza!

Current month ye@r day *